Pages

.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

A Importância das Vacinas em Gatos

A vacina é o método mais eficaz de se prevenir doenças. Existem vários tipos de vacinas. Vírus vivos fracos que não causarão danos ao hospedeiro, pedaços de proteínas dos agentes infecciosos, tudo para entrar em contato com o sistema imune e tentar causar uma reação no organismo, fazendo com que este se defenda da próxima vez que encontrar o verdadeiro inimigo vírus. Lembrando que para cada espécie, há vacinas próprias (exceto a vacina anti-rábica, usada inclusive para vacinar humanos).
 
O gato tem esquema de vacinação semelhante ao dos cães. A diferença é que são muito menos doenças. Não que o gato tenha menos doenças. É que infelizmente não tem vacina para todas as elas. Algumas vacinas existem, mas não no Brasil. É o caso da vacina contra PIF – peritonite infecciosa felina, que, além de não existir aqui, ainda não é muito garantida. Outro caso é a FIV, a AIDS dos gatos, que não tem cura nem vacina. Em todo caso, praticando a posse responsável, onde não se deixa o gato passear por aí, você evita que seu gato pegue esses tipos de doenças.

Vacinas para gatos são basicamente: a tríplice, a quádrupla e a quíntupla, ou seja, as polivalentes, além da anti-rábica.
tríplice combate Rinotraqueíte, Calicivirose e Panleucopenia Felina.
quádrupla, além das três citadas, combate a Clamidiose.
E a quíntupla, além das quatro, protege também contra Leucemia Felina, a temida FeLV. O uso da quíntupla é bastante controverso. A reação causada pela vacina, em longo prazo, causa câncer vacinal. Portanto a quíntupla só é recomendada quando o animal está em grupo de risco, como locais onde há superpopulação felina ou em filhotes.
 
Todas essas doenças podem causar danos para os gatos, em maior ou menor grau.
Panleucopenia provoca sintomas relacionados com o sistema digestivo: vômito, perda de apetite e diarréia com ou sem sangue. A transmissão ocorre por contato direto do animal com as fezes e urina de animais infectados no ambiente. É a doença que mais causa danos ao gato doméstico no mundo inteiro e a morte pode ocorrer pouco tempo depois do aparecimento dos sintomas. A Rinotraqueíte é uma virose que afeta mucosas nasais, traquéia e conjuntiva e causa sintomas parecidos com uma gripe (secreção nasal, espirros, tosse e pneumonia) e o herpesvírus não é eliminado do organismo do animal após o contato e, por isso, o gato não vacinado será portador definitivo do vírus, com risco de novas manifestações. A Calicivirose causa problemas respiratórios nos gatos contaminados, além de provocar ferimentos na boca e o vírus é muito resistente no ambiente. A Clamidiose é uma
zoonose (doença transmissível ao ser humano) responsável por conjuntivite e sintomas respiratórios nos gatos e caracteriza-se por uma conjuntivite crônica e rinite moderada. A rinotraqueíte, a calicivirose e a clamidiose, afetando o olho do gato, podem gerar lesões tão profundas que podem causar cegueira. A Leucemia felina é uma doença incurável decorrente de um vírus responsável pelo aparecimento de tumores e queda de resistência do sistema de defesa do organismo. É mais comum em animais de vida livre ou que tenham contato com gatos vadios e a vida média de um animal doente é de 2 a 3 anos após a infecção.

 tabelinha de vacinação para bichanos

Vacina polivalente Aos 45 dias de vida.
Vacina polivalente 21 a 30 dias depois.
Vacina polivalente 21 a 30 dias depois.
Anti-rábica Após os 4 ou 5 meses de vida do animal.
Repetir uma vez por ano as vacinas múltiplas e anti-rábica.

Lembrando que animais doentes ou debilitados não devem ser vacinados em hipótese alguma. Você pode piorar o quadro dele e vai desperdiçar dinheiro, já que a vacina não vai ter efeito desejado. É interessante também que o animal esteja desverminado ao receber a vacina. O ataque de vermes desvia a atenção do sistema imunológico, ou seja, a vacina será mais eficaz sem vermes.
 

Animais adultos que nunca receberam vacinação serão vacinados com apenas duas doses com intervalo de 21 a 30 dias e uma de anti-rábica.
 
Fêmeas gestantes podem ser vacinadas? O ideal mesmo é vacinar antes da gestação, já que reações podem ocorrer com a inoculação de qualquer agente no organismo e podem causar algum dano para os filhotes. Mas se for necessário, procure evitar a vacina no terço final da gestação, quanto mais no início, melhor.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Gato Azul da Rússia


foto de divulgação



Passado Genético
Uma vez que não nasceu do cruzamento de duas raças diferentes, o Azul da Rússia é uma raça genuína que foi sendo apurada ao longo dos anos e que assim se tem mantido devido aos cuidados tido pelos criadores na escolha de progenitores sempre genuínos.
Obviamente que o mesmo não se aplica à reprodução doméstica. Nestes casos, é possível que, pela“deficiente” herança genética, se percam algumas das características, como por exemplo, a densidade da côr, o que, de modo nenhum, os tornará menos capazes de amar.


Aparência, Personalidade e Temperamento
O Azul da Rússia, sendo de porte médio, é bem constituído, possui pêlo curto e linhas graciosas e esguias.
O que os distingue de todos as outras raças é, sem dúvida, a pelagem em dupla camada, muito densa, macia e sedosa, unicamente Azul e com cada uma das pontas dos pêlos prateada, o que lhe confere um aspecto muito brilhante e lustroso. A sua densidade torna-a volumosa mas, ao contrário do que seria de pensar, o Azul da Rússia perde pouco pêlo.
Os olhos são grandes, bem afastados e redondos e passam de amarelos a verdes claros e límpidos logo a partir dos 4 meses.
São gatos muito inteligentes, tranquilos, sensíveis, asseados e brincalhões.Adoram correr, pular e trepar mas apesar de muito ágeis e activos, raramente fazem estragos em casa. São capazes de aprender a abrir portas e “ensinam” os donos a atirar-lhes brinquedos e a participar nas suas brincadeiras.
Por serem tímidos e reservados, os donos terão de construir a sua relação com eles. A última palavra será deles mas, uma vez conquistados, são excelentes companheiros e muito dedicados, dando-se naturalmente bem com crianças e outros animais. Seguem os donos por toda a parte, só pelo simples prazer de estar perto deles. Tornam-se, contudo, desconfiados e assustadiços, se na presença de estranhos, e a sua sensibilidade pode levá-los a ressentirem-se e a tornarem-se medrosos e até temperamentais, se forem negligenciados ou colocados perante situações de tensão.
Uma vez apaixonados pelos donos, têm diversas formas de o demonstrar como sejam as turrinhas e o saltar para o ombro do dono e deixar-se carregar por ele. A lealdade é tão grande que ficam verdadeiramente magoados se lhes for negada a possibilidade de transmitir afecto e ternura. Talvez por isso, a relação entre esta Raça e o Ser Humano acaba por tornar-se normalmente muito próxima e profunda.
foto de divulgação



Saúde, Alimentação e Cuidados Básicos
São suficientemente independentes e capazes de se entreter, se forem deixados sós durante o dia mas, à chegada dos donos, não dispensam atenção e carinho redobrados e, talvez por essa razão, adoram uma boa escovadela, quem sabe, se não será por lhes permitir partilhar bons momentos com os donos.
Sendo animais de pêlo curto, a sua manutenção não exige cuidados de limpeza e tratamento nada extraodinários. O pêlo pode ser mantido com óptimo aspecto apenas com muitas festas e escovagens regulares. Os cuidados a ter com as unhas, olhos e ouvidos é igual aos de outra raça qualquer.
São “bons garfos” e facilmente ganham peso a mais. De forma a evitar a obesidade, é importante não exceder as doses recomendadas para a sua raça, idade e condição física.
São animais fortes e robustos, naturalmente saudáveis e sem problemas genéticos associados à raça, sendo que, com bons cuidados veterinários, uma boa alimentação, muito exercício físico e muito carinho, facilmente atingirão idades acima da média.

Gatos Ajudam a Prevenir Asma e Alergia nas Crianças.


Uma pessoa que sofre de asma ou de certos tipos de alergia pode ter alguns problemas respiratórios graves e limitações durante a vida. Uma das mais comuns é sobre ter animais em casa, principalmente os gatos, que geralmente soltam pelos durante seus famosos banhos de língua. É quase uma regra: quem tem problemas respiratórios não pode ter bic
hanos em casa. Mas uma pesquisa recente coloca essa questão em dúvida.

O jornal médico The Lancenet publicou um estudo que relata que quem convive com gatos tem menos chances de desenvolver asma e alergias. A poeira do pelo dos gatos diminui o risco de asma em algumas crianças, pois ela altera a resposta imune a gatos, ao contrário do que acontece com os ácaros do pó, que geram alergias e irritações. As

pesquisas foram feitas em crianças entre 12 e 14 anos, mas a conclusão ainda não é definitiva.

Uma outra pesquisa, feita em Munique, avaliou o efeito da exposição de gatos a mais de 8 mil crianças e descobriu que a propensão a ter asma foi 67% menor nas crianças que dividiam ambiente com gatos, com proteção maior por parte de crianças que tiveram esse contato desde o primeiro ano de vida.

Mas mesmo com essas pesquisas e resultados positivos, ainda não é possível ter certeza do efeito dos pelos dos gatos na formação da pessoa, por isso, é melhor evitar problemas.

E mais importante é manter a saúde de todos da família em dia, inclusive do bichano.

Fonte: http://www.anda.jor.br/14/07/2013/gatos-ajudam-a-prevenir-asma-e-alergia-nas-criancas

domingo, 7 de julho de 2013

Peso Ideal Para Seu Gato

A castração, entre outras razões, é muito importante para evitar que mais animais sejam abandonados tão cruelmente. Se você já castrou seu gato, parabéns!
Agora, tem que tomar cuidado com o peso do seu gatinho. Isto porque a tendência de um gato castrado, ao passar dos anos, é ficar mais pacato e tranquilo e com isso é provável que ele ganhe peso.
Embora achamos os gatos gordinhos super fofinhos, a obesidade poderá trazer uma série de complicações na sua saúde, por isso, tome alguns cuidados para manter o peso do seu gato de forma saudável:
1. Converse com o seu veterinário
Leve seu gato para um exame completo de saúde. Peça para seu veterinário indicar o peso ideal para seu gato e lhe dar dicas de como atingir esta meta.
2. Verifique regularmente o peso de seu gato
Perder peso pode ajudar o seu gato a atingir uma vida mais saudável, mas isto só ocorre quando o peso é perdido de maneira controlada. Para garantir que o seu gato está perdendo peso de maneira adequada, pese-o regularmente.

3. Mantenha o peso ideal pela vida

Assim que o seu gato atingir o peso ideal tente mantê-lo com o alimento adequado e com um plano regular, bem como com constantes exercícios.

4. Inclua atividades físicas
Quando você alimenta o seu gato com uma boa ração, tende a manter o peso de forma saudável. Entretanto, o seu gato manterá o seu peso ideal mais facilmente se ele estiver fazendo algum tipo de atividade fisica. Separar meia hora do seu dia para brincar com seu gato, estimulando-o a praticar exercícios é de grande valia. Experimente fazê-lo correr atrás de uma bolinha ou de luses na parede projetados com uma lanterna, jogar um objeto em locais altos para seu gato subir e pegar o objeto, enfim, qualquer atividade caseira, fará toda a diferença.
Fonte: http://www.hillspet.com.br/pt-br/cat-care/four-steps-to-healthier-cat-ma.html